Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

WR – Mão-de-Obra Temporária WR Recursos Humanos - Notícias

26/01/2017 Voltar

5 coisas que o departamento de RH não te conta

Imagem retirada de http://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2017/01/cinco-coisas-que-o-departamento-de-rh-nao-te-conta.html

Apesar de ter em seu currículo as habilidades de analista de Recursos Humanos desde 1984, a americana Liz Ryan levou um susto quando, de repente, se viu deslocada para esse setor da empresa. Funcionária de um setor ligado à Logística, ela não concorreu a uma vaga de RH: a ordem partiu de seu chefe. Em artigo publicado na Forbes, ela decidiu contar o que mudou em sua perspectiva profissional após a recolocação. “O choque de culturas foi imediato. Minha sala tinha uma janela, e cortinas para me dar mais privacidade. Eu podia olhar pela janela e observar os funcionários fazendo seu trabalho”, contou.

Um dos primeiros estranhamentos foi que os supervisores marcavam reuniões para falar sobre seus funcionários, e ela se perguntava: “Como é possível que eu tenha mais tempo disponível para falar com os gestores do que com os empregados, que precisam de mais ajuda e suporte?”. Foi então que Liz criou o hábito de passear pela empresa para perguntar diretamente às pessoas "como elas estavam". “Eu falava com todo mundo para que os funcionários não se sentissem nervosos ao conversar comigo, queria que soubessem que podiam me procurar se houvesse algo errado”, disse.

Desde o começo, ela diz ter percebido que os fundamentos de seu trabalho estavam errados. “RH significa Recursos Humanos. Nada além da engenhosidade e paixão humanas podem fazer uma empresa crescer e prosperar, mas as pessoas muitas vezes são negligenciadas na prática de RH”, disse. “As necessidades da gerência são priorizadas sobre as necessidades dos outros funcionários. Isso é ruim para os negócios e é sinal de má liderança”.

Liz Ryan listou cinco coisas que o departamento de Recursos Humanos não conta (mas deveria) aos funcionários:

1. O quão confidenciais, de verdade, são as suas conversas com o RH;

2. O que consta na sua ficha pessoal;

3. Quais são os problemas relacionados ao seu desempenho que o seu gestor está levando ao RH;

4. O que eles sabem sobre o provável futuro do seu cargo ou seu departamento na empresa;

5. O que seu chefe pensa de você – mesmo que você esteja correndo o risco de perder seu emprego.

Para solucionar esses problemas, ela disse que foi preciso mudar essas práticas tradicionais. “Como recém-chegada no setor, tive que dizer aos gerentes que se por acaso seus funcionários viessem falar comigo, esta era uma conversa confidencial, e eu não iria contar depois quem me procurou ou sobre o que conversamos”, disse.

Essa não foi tarefa fácil. Os executivos pressionaram a analista em muitos momentos para que ela dissesse quais eram as reclamações dos funcionários e quem estava dizendo o quê a ela.

“O trabalho de RH não é fácil, e as pessoas fazem o melhor que podem para ouvir, aconselhar, treinar e reforçar os times, enquanto tentam fazer o que podem para manter os executivos felizes”, disse Liz.

"Se seus funcionários não estão felizes, então ninguém está feliz. Se os colaboradores não gostam de trabalhar para você, nada de bom vai acontecer na empresa", resume.

Fonte: Época Negócios Online

Todos os direitos reservados - © 2010
Página Inicial| Institucional| Serviços| Vagas Disponíveis| Cadastre seu Currículo| Notícias| Contato
RGB Comunicação